5.8.11

Sabado Frio!!


Sábado, manhã fria em Maputo. Entrou no elevador vazio do 30º andar. Viagem de 3 a 4 minutos pouco agradável de fazer. 5 andares abaixo o elevador parou, a porta abriu-se e ela entrou sem uma palavra. Vestido curto,  pele a cheirar a sais de banho e perfume de aromas exóticos. Ao seu olhar silencioso e surpreendido, ela respondeu com um sorriso cheio de insinuantes palavras. Quando a porta se abriu no r/c, com um pequeno gesto com o braço indicou-lhe a saída em primeiro lugar. Ela fixou os olhos nos dele e permaneceu estática. Ele supreendido, deixou que a porta se voltá-se a fechar. Ela carregou no botão de chamada do 25º andar sempre a subir. Tal como o resto da manhã daquele sábado que começou frio.

15.6.11

A pulseira, o rabo de elefante e o píneu!!



Roubado de um blog que cheira a terra molhada por todos os poros!!



Mercado Pau Preto - Nampula - Potencial compradora "mukunia" e loira e um vendedor de pulseiras "rabo de elefante"

- Bom dia, senhor, novidades*?
- Tudo bem, não sei do seu lado...
- Salama**, obrigada.
- Ah... Senhora, estou a vender pulseira.
- Sim estou a ver, estas pulseiras são de quê?
- Rabo de elefante...
- Ah, muito bem. E custam quanto?
- Está a 20 cada uma...
- A 20 meticais? E quanto me faz se levar cinco?
- Fica a 15 cada uma.
. Está bem... E quem fez as pulseiras?
- Eu mesmo, mamã!
- Ah, muito bem, parabéns, são muito bonitas! Mas onde é que arranjou o rabo de elefante?
- É um caçador que vende.
- Um caçador? E onde é que ele caça?
- Não sei, mamã...
- Mas ele mata os elefantes para lhes cortar o rabo?
- [Atrapalhado, sem saber o que dizer a esta mukunya***, que nem comprava nem desgrudava literalmente do seu pé...] Não... corta o rabo, só!!!
- Hum... Olhe, pode dizer, que eu levo na mesma...
- O quê, mamã?
- Não são de elefante, pois não?
- [Com pouca convicção] São sim...
- Mas pode dizer, não tem problema...
- [Baixando os olhos, envergonhado] Ah, mamã... São di pineu...
- De quê?
- Di pineu, mamã.
- Mas o que é um pineu? É parecido com quê?
- Pineu... Não sabe o que é pineu? Pineu di carro!
- De pneu?!
- Sim, mamã. Nós corta o pineu di carro e dentro do pineu tem o miolo que faz o fio...
- Ah... Levo cinco, então!

* Novidades - Como está [de saúde]?
** Tudo bem.
*** Mukunya - Branca

7.6.11

Portugal


Portugal foi a votos. Um país enfraquecido pela crise mundial e por um governo dito socialista, de joelhos perante os tubarões financeiros, a banca agiota e os interesses corporativos e económicos daí resultantes. Dos cerca de 9,4 milhões de votos possíveis, 59% dos eleitores compareceu votando maioritariamente numa viragem á direita. 500.000 votos fizeram a diferença. Os restantes 41% alhearam-se da escolha. Saber que razões levam tantas pessoas a não votar e caracterizar o possível sentido de voto destes abstencionistas, será um trabalho para os estudiosos nestas coisas mas não deixa de ser interessante saber até que ponto ele influencia o resultado final.

Com a catastrófica situação das contas publicas, aquilo em que convictamente acredito é que com esta escolha, os socialmente desprotegidos, trabalhadores por conta de outros, desempregados, idosos reformados, mulheres, que são os verdadeiramente atingidos pela actual situação do país e são sem dúvida a maioria dos eleitores, estarão bem pior daqui a 4 anos que estão hoje.

Muitas das medidas de protecção social criadas nos últimos anos vão desaparecer ou serem reduzidas. Os impostos e os preços dos bens primários, vão aumentar o que atinge a totalidade dos portugueses, o custo e acesso ao crédito vão ficar mais difíceis, sendo que este item abrange cerca de 90% da população. Numa situação destas, impunha-se um estado mais virado à criação de almofadas sociais que amenizassem o choque brutal que já começou. Com a direita nada disto vai acontecer. Será certo que os salários serão congelados durante 3 anos ou mesmo diminuídos e o acesso barato a direitos universais como saúde, segurança, transportes e educação, serão dificultados ou mesmo vedados. Isto para não falar do emprego jovem que será o maior problema da próxima década. Ter milhares ou mesmo milhões de jovens desocupados ou em empregos precários é potencialmente equivalente a viver em cima de uma bomba relógio com o programador avariado.

Estou também certo que todos aqueles que têm aproveitado esta crise para engordar as suas já anafadas contas bancárias, que são claramente a minoria, estarão ainda mais ricos no final da legislatura. Os gestores da crise são seus representantes eleitos e só não tirarão o máximo proveito da situação se forem burros. E claramente não o são.

Por esta razão não entendo porque a maioria dos eleitores que foram ás urnas votou á direita e menos ainda, porque parte significativa dos eleitores escrutinados se absteve de votar. Muito provavelmente a inexistência de uma figura carismática e credível na esquerda social, a arrogância obstinada de Sócrates, a inépcia politica de Lousã e o discurso empedernido e repetitivo dos comunistas, sejam uma explicação. Mas não è conclusiva para mim. Até porque, ao contrário dos primeiros, estou em crer que aqueles que de alguma forma se têm beneficiado destes tempos difíceis, estiveram lá todos a colocar o voto.

O sistema democrático com todas as suas virtudes inatacáveis, é também em situações como esta de uma perversidade atroz.

31.5.11

Até já!


Eu quero adormecer e acordar quando voltares. Por isso já sabes: despacha-te. Não me faças esperar muito mais tempo... Não vá eu ficar velho, cansado, esgotado. Não vá eu gastar-me em saudades. Não vá o peito sair-me pela boca.

Eu vou agora deitar-me e esperar. Eu sei que virás. Só não demores muito mais. A minha reserva de sonhos está por um fio.

Não resisti e roubei. No meio de tanta joia rara, tenho esperança que a proprietária não note a falta.



24.5.11

Falar de Liberdade


Eu não quero ter poder,
mas apenas liberdade de falar aos do poder,
do que entendo ser verdade.

Agostinho da Silva

20.5.11

Desespero!

Não eram meus os olhos que te olharam
Nem este corpo exausto que despi
Nem os lábios sedentos que poisaram
No mais secreto do que existe em ti.


Não eram meus os dedos que tocaram
Tua falsa beleza, em que não vi
Mais que os vícios que um dia me geraram
E me perseguem desde que nasci.

Não fui eu que te quis. E não sou eu
Que hoje te aspiro e embalo e gemo e canto,
Possesso desta raiva que me deu


A grande solidão que de ti espero.
A voz com que te chamo é o desencanto
E o esperma que te dou, o desespero.


Ary dos Santos, in 'Liturgia do Sangue'

12.5.11

Evolução da Espécie!!


Sistema Solar, Planeta Terra, Século XXI, ano de 2011dC, meses de Abril e Maio.

Breve resumo das principais noticias importantes pelo mundo nos ultimos tempos:

-Uma pandemia já chamada de peste do século e para a qual não se conhece cura, matou e continuará a matar ao longo dos próximos anos milhões de pessoas e a maior parte delas contraem a doença ao manterem relações sexuais. Fontes religiosas insistem de que se trata de um castigo divino pelo pecado da fornicação;
- Uma epidemia chamada de nuclear matou centenas de pessoas no Japão e ameaça matar mais uns milhares nos países vizinhos. Tudo teve origem na ambição desmediada e falta de planeamento de uns tantos que óbviamente viviam longe do epicentro da peste e não foram nem serão atingidos;
-Uma vaga de fome, desemprego e miséria trespassa o mundo. Os mais afectados são os mesmos de sempre. Os mais pobres e desprotegidos. Chamam-lhe já de "crise internacional" mas os agiotas chamam-lhe "um figo" e vão engordando com a crise.
-Porque aos povos faltam idolos mortos para adorar, beatificámos um papa. Antes beatificaramos uma freira virgem que sofria de visões e esteve prisioneira desde os 12 anos até á morte á espera de revelar um segredo ao papa beatificado.
-Casámos um príncipe de sangue azul com uma africana de sangue plebeu, com muitos reis a assistirem e milhões de subditos a pagar e aplaudir. Escusado será dizer que ao repasto da festa foi apenas convidada a corte dos endinheirados e os plebeus foram para casa a pé e jantaram brioches com sopa;
- Fizemos uma cruzada ao Oriente montados em pássaros de ferro e matámos um sarraceno/mouro/infiel que atormentava as consciências boas. Os outros muitos mortos que já o foram e os que o serão num futuro breve, não são contabilizáveis nem terão o apelido nas lápides funebres. Em antecipação e para memória das gerações vindouras, foram já denominados de "danos colaterais".

- Bem-vindos a este manifesto retorno à Idade Média!

(ideia roubada daqui)

5.5.11



Acerca do raid dos marines americanos à residência de Ossama bin Laden  nos arredores de Islamabade, no Paquistão, consta que os serviços secretos investigavam a casa à 4 anos pois ocupava alguns hectares numa zona nobre, estava avaliada em mais de 1 milhão de USD, o lixo era queimado ou enterrado no quintal, os proprietários registados não tinham declaração de rendimentos ou profissão legal justificativa de capacidade financeira para ter uma casa daquelas.

Agora, imaginemos que o homem mais procurado do mundo se tinha refugiado em Moçambique mais precisamente num dos vários bairros novos circundantes das cidades de Maputo ou Matola. Com os palacetes de vários milhões que por lá existem rodeados de muros de 4 metros que mais parecem prisões e onde nem os guardas da casa sabem o nome do dono, tinhamos raids dos marines todas as noites!

28.4.11

Sei quem vai gostar disto... eu tambem gostei...



Existe somente uma idade para a gente ser feliz, somente uma época na vida de cada pessoa em que é possível sonhar e fazer planos e ter energia bastante para realizá-las a despeito de todas as dificuldades e obstáculos.
(...)
Essa idade tão fugaz na vida da gente chama-se PRESENTE e tem a duração do instante que passa.

(autor desconhecido)

25.4.11

25 Abril

Porque naquele dia vi nascer uma força nova num povo descrente e triste que era o meu. Porque naquele dia saí para rua e cantei, gritei e chorei com as mesmas lágrimas de esperança de milhões de outros.

Mesmo que hoje me doa o silêncio de tantos e a retórica fascista e impune de muitos. Mesmo que a memória me traga a dor e a raiva de ter cantado, rido e chorado na esperança de um amanhã solidário que nunca se cumpriu.

Apesar de tudo isso, sinto que valeu a pena. Se mais não fosse porque hoje posso escrever esta mensagem simples e muito porque aquele foi o dia mais importante de uma vida já longa que é a minha. E eu estive lá de mãos dadas com milhões de homens, mulheres e crianças como eu era ainda. E essa sensação unica, inesquecível, levarei comigo para a terra. Ninguem será capaz de ma tirar. Nem eles, os vampiros, que reduziram a miséria e pobreza o sonho colectivo de um povo.

Sou um filho da geração de Abril. Deserdado é certo mas solidário com aqueles que sofrem e lutam. Gosto de pessoas felizes, cravos vermelhos e abomino ditaduras e armas que matam. Sou um homem que acredita que o mundo poderia ser melhor se o espirito do meu Abril se cumprisse. Morrerei nessa fé se a lucidêz e as agruras da vida não me atraiçoarem! 


24.3.11

Simplesmente Deplorável!


"Às gerações mais novas, é importante transmitir o testemunho de quem enfrentou a adversidade ombro a ombro com aqueles a quem confiava a vida e por quem a daria também; o testemunho de quem conhece a relevância de valores como a solidariedade, o profissionalismo, o mérito e a honra, a família e o País. Importa que os jovens deste tempo se empenhem em missões e causas essenciais ao futuro do País com a mesma coragem, o mesmo desprendimento e a mesma determinação com que os jovens de há 50 anos assumiram a sua participação na guerra do Ultramar."

discurso de 15.03.11 de Cavaco Silva aos Combatentes

Comentário amargurado:
O Sr. Silva neste discurso, como já o tinha feito em outras ocasiões, faltou ao respeito ao seu povo e aos povos africanos que o  fascista tirano Salazar amordaçou e colonizou. Faltou ao respeito aos milhares de africanos e portugueses que cairam mortos ou ficaram com mazelas para toda a vida em guerras sem sentido e contra-natura.  Faltou ao respeito aos ventos da história e à inteligência, prestando culto às politicas que fizeram Portugal, Guiné, Cabo Verde, Angola e Moçambique, estagnarem durante mais de 60 anos. Faltou ao respeito aos milhares de jovens portugueses de hoje que esperam dos politicos respostas claras e politicas inclusivas aos graves problemas de inserção e falta de prespectivas que enfrentam. Faltou ao respeito sobretudo, ao cargo para o qual foi eleito que deveria ter como titular uma pessoa inteligente, solidária e moderna que olhá-se os erros da história com a coragem e a lucidez que os mesmos merecem. Salazar se fosse vivo não diria algo diferente.
 
Por estas razões e por outras, com tanta ou mais importancia que esta mas que não são chamadas aqui e agora, este homem bafiento, pequenino e mesquinho não me representa enquanto cidadão português. E acredito que tambem não represente uma larga maioria de meus compatriotas. Espero sinceramente que depois desta infeliz tirada, não se lembre de visitar as suas ditas "colonias ultramarinas" até ao final do seu mandato.  Nós que aqui trabalhamos e lutamos pela vida, lado a lado com povos sofridos e sedentos de progresso, estabilidade e paz, estamos fartos de ser envergonhados por figurinhas menores que na terrinha fazem o discurso saudosista e fascista da superioridade da "raça" e quando aqui chegam fazem outro, carregado de falsa solidariedade alimentada por paternalismo bacoco e pateta.
 
Se o Sr. Silva não consegue vislumbrar as implicações negativas que as politicas de guerra ditas coloniais, tiveram na vida de milhões de pessoas tanto em Africa como na Europa e repassar essa informação aos jovens de hoje de forma  clarividente, enquadrando sem medo ou vergonha os erros do passado nos tempos actuais, por favor cale-se!

Os combatentes de à 50 anos não são os jovens de hoje. A estes jovens temos a obrigação de falar dos bons exemplos que os temos na nossa história. Os amordaçados de ontem são hoje pais e avôs de homens e mulheres livres que sabem o querem. O unico denominador comum será que aos jovens de antigamente não lhes foi dada alternativa pois ou iam á guerra ou tinham de sair do país, e aos jovens de hoje, os Srs. Silva, unicos responsáveis pelo descalabro a que chegou Portugal, tambem não tem inteligencia para oferecer mais que não seja desemprego ou sair do país. Pagarão bem caro por isso.

28.2.11

Arrebatador!... no minimo.

No mundo sem sentido ou sentimentos em que vivemos, ainda existem pessoas com capacidade para nos levar as emoções ao limite. Não sei quem è este jovem nem donde vem ou para onde vai. Sei que tem um nome bizarro, uma figura absolutamente normal e que ao vê-lo dançar senti uma irreprimivel vontade de poder ter ali a tua mão para apertar. Sim. Porque tú e ele são os responsáveis pelas lágrimas parvas que me cairam ontem á noite e por este post carregado de sentimentos e atitudes poucos masculinas para os hábitos da casa.

16.2.11

Vampiragem que enoja!


“Na Suíça, esse belo país onde se pode ser preso por cuspir no chão, mas cujos bancos guardam o dinheiro mais sujo do planeta (algum até com nódoas de sangue) para lavar ou multiplicar consoante o gosto do freguês, só agora descobriram, à imagem da Internacional Socialista, que Mubarak foi um ditador durante décadas, e resolveram congelar-lhe os bens. Não sei quem me repugna mais, se os tiranos, se os vampiros.”

- Rui Herbon, no Jugular

10.2.11

Será que eles querem ouvir? Ou será necessário gritar ainda mais alto?


«Os nossos países não são vítimas de uma sinistra fatalidade. Não estamos condenados nem a matarmo-nos uns aos outros nem a suicidarmo-nos. Desde que os nossos dirigentes, mesmo que para tal tenham que fazer um esforço, oiçam por um instante o ruído surdo da desgraça. Apenas por um breve instante.»

Editorial do "Le Monde"